O TEP é uma estrutura residente no Teatro Campo Alegre, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto, e apoiada pela Câmara Municipal do Porto.

Estro/Watts

Paulo Furtado & Gonçalo Amorim, TEP

Estro/Watts – Poesia da Idade do Rock parte da poesia ligada ao rock e dos seus autores para explorar a dualidade da palavra do rock e a prática poética. Tal como a Ilíada ou a Odisseia – histórias que se iam contando nas praças, de heróis e de guerras, de paixões – o rock usou a palavra poética para falar na esfera pública da vida, da morte, da guerra, de amores e desamores, da solidão, das selvas de betão, da experiência da classe trabalhadora e da opressão. Esta dimensão pública, que reúne gente à sua volta, que congrega, contrasta drasticamente com a introspeção que o ato poético exige tantas vezes. Na idade do rock fundou-se um novo lugar na esfera pública para a referência política e estética, um lugar que outrora era ocupado pelo teatro. O que é feito desse património? Onde estão os trovadores? Estro quer devolver ao estilo o estatuto de cancioneiro popular.

  • Um projeto de: Gonçalo Amorim & Paulo Furtado
  • Tradução dos poemas e acompanhamento historiográfico: João de Menezes-Ferreira
  • Encenação e conceção: Gonçalo Amorim
  • Direção musical e conceção: Paulo Furtado
  • Música original: The Legendary Tigerman
  • Intérpretes: Ana Brandão, Diana Narciso, Hugo Inácio, Iris Cayatte, Pedro Almendra, Pedro Galiza, Susie Filipe
  • Artista convidado: Filipe Rocha
  • Cenografia e figurinos: Catarina Barros
  • Desenho de luz: Nuno Meira
  • Vídeo: Luísa Sequeira
  • Desenho de som: Guilherme Gonçalves
  • Produção: Teatro Experimental do Porto
  • Coprodução: Teatro Municipal do Porto
  • Agradecimentos: João César Nunes, Moog, Omnisonic International, Pedro Monteiro, Sontronics, Um Segundo Filmes

Duração: 90 min.

Classificação etária: M/12

Preço: € -


Website TMP